terça-feira, 3 de março de 2009

Capítulo 21 - Surfing

Bem amiiiiiiigos da rede globo, falamos aqui diretamente de glasgow onde daqui a pouco... (acreditem em mim, dá saudades de escutar isso)


Primeiro de tudo, eu devo dizer que fiquei bastante agraciado pelo número de comentários do último post. Não que tenha sido um recorde, mas foi muito mais do que eu esperava, principalmente para um post que não recebeu nenhum marketing. Parece até que vocês tão gostando da estória do mochilão ;P.

Sábado eu fui à Edinburgo pra assistir uma partida de rugby valendo pelo campeonato das Seis Nações (Escócia x Itália). Foi bem melhor que eu imaginava, mas o jogo não é tão entusiasmante quanto futebol (vai ver porque eu não entendi lá muita coisa). Mesmo assim, valeu bastante a pena conhecer.

E sabe quem me ligou nessa última quarta que passou? quem? quem? quem?? Ele meeeesmo, a lenda viva, (ligar sutaque italino no modo Cid Moreira) Matteo Ferretti (desligar sutaque). Jájá ele aparece na história de hoje.

Haa, e antes que eu me esqueça, eu sei que Torino é em italiano, o que eu quis dizer é que eu vou citar as cidades pela forma que eu usei na viagem.

Vamos continuar então com a saga deste mochileiro solitário que vos escreve...



Dia 20-10 -> E você dorme aqui.


"Celular abençoaaaado!!! Ainda bem que eu botei bastante crédito nele antes de começar a viagem". O coitado do meu celular é beeeem simples, um primo bem distante dos celulares de hoje em dia, mas ajudou bastante na viagem, principalmente nesse primeiro dia. Isso porque o Fede (meu host do CouchSurfing) me mandou várias mensagens durante o dia, inclusive uma dizendo que não poderia mais me buscar no aeroporto nem na estação de trem "perto" da casa dele ¬¬. "Meu deeeus, o que me falta acontecer ainda nesse dia??" (ainda bem que eu só pensei, dá um azar desgraçado falar isso).

Enquanto as coisas do post passado aconteciam, eu mantinha contato com o Fede via mensagens pra saber como chegar no local de encontro (combinado pra ser no meio da cidade - numa praça rodeada por galerias bem legais).

Enquanto isso, eu peguei o mesmo trem do famoso Matteo Ferretti. Essa viagem de trem foi bem intimidante porque todo mundo do trem olhava pra gente, com feições muito assustadas, como se não fosse normal ver gente falando inglês (depois eu descobri o porquê). A gente sentou numa poltrona que ficava de frente pra outra, onde estavam sentados um senhor (com aparência de apreciador de vinho - não me pergunte como eu cheguei a essa conclusão) e uma mulher de seus 30 e poucos anos. Na hora que eu sentei na poltrona pra descansar um pouco do fardo que é carregar a bendita mochila, o senhor olha pra mim e solta um "bucado" de palavras obscuras, um emaranhado sonoro tão estranho, tão ligado que pra mim aparentou ser uma palavra só, 30... 27 segundos direto sem precisar recuperar o fôlego. Impressionante.
Eu já tava levando as coisas tão na maciota que só fiz sorrir. Mas as coisas não dariam errado dessa vez, não dessa vez, pois agora eu estava com o São Matteo, o protetor dos mochileiros azarados (eu acho que ele é da mesma liga da justiça que o Super Blue - ha, você não se lembra do SB? Então clique aqui). Ele traduziu o que o senhor me disse:
- Ele disse que você pode colocar a mochila ali no bagageiro.
"Nossa, e eu fazendo mal juízo do bondoso italiano ó". Cá pra nós, eu já tinha tido razões suficientes pra estar escaldado naquele dia né? A propósito, o senhor era muito gente boa, tentou conversar comigo mesmo vendo que eu não entendia nada kekekeke. Taí, ele foi um dos únicos italianos gente finas que eu conheci (fazendo um cálculo rápido, acho que foram 3 ao todo, ele, Matteo e Elena - quem é ela?? Ninguém por enquanto ;P).

(clique para ampliar)
(os italianos não são unânimes quanto ao potencial turístico de Torino, mas até que a cidade é bonita né?)
(campina também devia ter alpes suíços ao fundo)

Conversando despretenciosamente com o Matteo dentro do trem, o que eu descubro?? Hein? Hein?? Hein??? Vocês num acreditam!!! (Déjà vu agora...)

Pra começo de estória, ele já me deixou muito mais tranquilo (entretanto com um pé atrás) quando disse que estava indo para a mesma estação que eu deveria descer, e que depois iria pegar o mesmo ônibus que eu. "Lá vem... vou ter que fugir de mais um maluco..." kekekekek, na verdade não foi bem assim não kekeke, ele disse primeiro onde ele tava indo e só depois eu disse que estavamos indo coincidentemente indo na mesma direção. Isso facilitou muuuuuuito a minha vida - imagine o que é chegar num país desconhecido, sem falar a língua, onde ninguém fala nem inglês, já de noite e ainda ter que pegar um trem e um ônibus tendo que acertar de prima, correndo o risco do host não ter paciência de te esperar e ir pra casa comer macarrão - e com o meu inseparável encosto de 1 tonelada).

Isso já teria sido coincidência suficiente pra fazê-lo presente nos altos da viagem, mas quando eu já estava me recuperando do primeiro golpe, ele desferiu (coisa de jornalista da caturité) o golpe especial dele e me nocautiou de vez. Vocês acreditam que ele tinha acabado de chegar de Glasgow onde está fazendo residência em um dos hospitais daqui?? "P$#& que pariu dooooido!!!"
Como danado eu fui achar esse cara aqui??? Calma que tem mais. O hospital é do outro lado da cidade mas ele mora aqui no centro como eu, logo ali. Sem condições. Dessa vez o azar teve piedade de mim e deixou eu viver alguns minutos como uma pessoa normal. Pra vocês terem idéia, ele mora/estuda em Roma, tava lá só pra rever a família. Bendita seja essa família.

PS: Ele me disse que queria participar de um dos encontros internacionais da minha univ. pra conhecer mais conterrâneos dele aqui em glasgow, e foi por isso que ele me ligou.

Saímos da estação, andamos uns 15 minutos, pegamos um ônibus (o ônibus lá não tem catraca, você entra por uma das 3 portas dele e basta achar uma cadeira que lhe apetreça - fica subentendido que você comprou o ticket em uma das máquinas espalhadas pela cidade - mais um dos exemplos de coisas que DARIAM CERTO NO BRASIL ;) ). Depois de muita conversa e "passear" pela cidade, me despedimos e desci do ônibus na praça onde eu encontraria o Fede. Sua última mensagem dizia Homem de Casaco Vermelho. Não foi muito difícil de achar, mas foi um baita choque kekekekeke. Tinha um cara no ponto de ônibus anterior ao que eu desci de casaco vermelho, esparramado no banco, com uma cerveja na mão, um cigarro na boca, barbudo, todo suado e despenteado. "Ram... só falta ser esse bicho viu...".
- Opa, você é o Diego?
"Será que ainda dá tempo de correr ou será que ele já me viu???"
- Você é o Fede?
- Isso mesmo. (pausa pra uma tragada felomenau). Vamos ali pra praça um pedaço...
- Bora. "Essa bolsa nem tá tão pesada assim ¬¬".

Mas até que foi uma boa procedência, pois deu uma amenizada considerável no medo que envolve o processo de receber e ser hóspede e um estranho kekeke. Passamos um tempão conversando nessa praça e finalmente fomos lá pra casa dele.

(clique para ampliar)
(fotos da praça - uma foto é a visão à 180 graus da outra)

Ele mora num prédio meio antigo, cuja porta do elevador se fechava rodando uma manivela (kekekekeke e eu não estou brincando). Ele vivia no apartamento que era do avô dele, e o resto da família vivia 4 andares acima, onde fomos jantar.
Massa d++++, a família dele parece mais encantada com viajantes que o próprio Fede. Me deram um monte de comida gostosa e eu pude experimentar um dos pães mais gostosos que eu comi na vida. O verdadeiro jantar de uma família italiana!! Bem melhor que ficar em albergues. O cardápio em si é diferente do nosso, mas é tão gostoso quanto.
Satisfeito, conversamos bastante noite adentro e enfim fui apresentado aos meus aposentos temporários. Desabei.

PS2: eu nunca vou me acostumar com banhos de chuveirinho... pq eles não pregam essa desgraça na parede?


E assim, 3 posts depois, termina apenas o PRIMEIRO dia do meu mochilão. Esse dia precisava ser detalhado porque muita coisa aconteceu, mas nos outros posts eu vou procurar contar histórias isoladas que foram acontecendo pelas cidades. Tem coisa d++++ ainda pra contar.


To be continued...



haaaaa, antes que a paulinha me bata, ninguém acertou a nacionalidade do novo flatmate. O nome dele é Daniel e ele é mais um Checo.

Ciao

16 comentários:

Tanque Silva disse...

Fantástica viagem . Vou continuar acompanhando.Aproveita!!
www.cocotaxi.blogspot.com

Andrea Carolino disse...

Na moral, qtas horas teve esse dia?
Negócio longo da bexiga!
Heheheheheheh

Andrea Carolino disse...

Na moral, qtas horas teve esse dia?
Negócio longo da bexiga!
Heheheheheheh

Andrea Carolino disse...

O blog gostou tanto do meu comentário que publicou logo dois \o/

UuuuuuuiA!

Catharine disse...

Esse blgo me odeia, só pode ser ;x
aehuehuahuehuahuea

Rapaz, bendita hora que te ensinei o "to be continued..."
hsuhauheauheuheauheauheauhea


To tentando lembrar o que tinha no outro comentário, mas é perdido ;~~
No próximo post comentarei mais,tá?

;***

Paula disse...

Ahhh... tcheco? Que sem graça... repetido.
Você fala que é azarado... mas na verdade é um sortudo!!!
Ganhou até jantinha!

Larissa disse...

né iiiiiisso! ganhou até jantinha, seu reclamão! ehueheuheuheuehushuhas
tais ficando bom nos posts visse, tá precisando escrever todos os dias agora ;D (tá, não vou começar novamente) ehuehueha
eita que saudade da gota ;(
tu escreveu todas as aventuras pra não esquecer foi? nossa, eu já teria esquecido TODAS! heuheuehuhsa
beijo didigão

Diego Rodrigues disse...

Na verdade eu tenho anotado uma lista de coisas que foram acontecendo em cada cidade pra evitar o esquecimento. Mas os detalhes vão surgindo enquanto eu vou escrevendo.

lcss disse...

cara, me leva na mochila na próxima! ;~

luisa disse...

nunca diria que ele seria um checo auehauehaue ;p
tu falando desse episodio ai do velho que tem cara de apreciar vinho, me lembrei do filme eurotrip na hora!
hehe ;)

saudade de tu! :)
:*

camila disse...

aain, eu já tava curiosa pra saber quem era Matteo, que coincidência boa *.*
Quero saber dos outros dias agora... aguado ansiosa ;P

Eduardo disse...

:D

Luiz de Almeida Neto disse...

Adorei o negoçu do "modo Cid Moreira", e já andei usando em um texto ali. Acho que vai me ser mt útil. Com a sua permissão. heheheheh. vlw.

Larissa disse...

cadê o próximo post? :}

Paula disse...

É mesmo, cadê?

Mary disse...

Não gostei da parte do churrasco!¬¬